Person of Interest – S02E02 “Bad Code”

Person of Interest é uma das minhas séries favoritas…e, isso nota-se no modo como vou escrevendo cada review. Realmente fico ansiosa pelos novos capítulos da série, quando estes por algum motivo falham uma semana… a espera torna-se quase insuportável. Desta feita, os autores da série ajudaram-me com os meus problemas de ansiedade, ao apresentarem um episódio um pouco abaixo do excelente registo da série.

Se, por um lado, até gostei da ideia de não terem encontrado o Finch logo no primeiro capítulo, o modo como a história foi evoluindo, foi-se tornando um pouco maçante e apenas desejava que o reencontro da nossa dupla de vigilantes favoritos finalmente acontecesse. E, estragando um pouco a surpresa final, isso é precisamente o que acontece no final… sem que no entanto algumas pontas fossem sendo atadas.

Reese e carter partem para o Texas com o intuito de desvendar um antigo rapto de uma adolescente chamada Hannah Frey. Toda a acção que se passa no Texas acaba por ser um pouco forçada dentro dos clichés da série: Carter tenta seguir o protocolo da polícia sem grande sucesso; por sua vez, Reese com o seu talento especial para pegar coisas alheias consegue o processo do caso em pouco tempo; de seguida, claro que Reese havia de comprar confusão com uns tipos num bar e acaba por lhes roubar uma arma meio excêntrica. Já, invariável é o modo perspicaz como os dois começam a deslindar um caso que esteve emperrado durante muitos anos.

Ao descobrirem que houve uma conta bancária no qual Hannah era uma das titulares após o seu desaparecimento, presumem que ela ainda está viva e que esta será, provavelmente, a verdadeira identidade de Root. Quando analisam as transacções dessa conta, vêem que foi um antigo morador na cidade que transferiu o dinheiro que permitiu que essa conta fosse aberta. Quando aprofundam a história, descobrem que esse homem, apesar de já se encontrar morto, tinha um carro cuja placa corresponde à descrição de uma testemunha anónima na noite do rapto. Anos mais tarde, ele acabou morto após ter sido atacado por um grupo de traficantes de droga. Pressionada, a viúva (que por acaso era funcionária da biblioteca) acaba por confessar que sempre desconfiou que o marido tivesse cometido o crime e que uns dias após o desaparecimento de Hannah, o marido refez o deque do quintal. Quando a polícia encontra o corpo de Hannah, Reese começa a seguir o rasto dos livros que todos os anos a viúva recebe aquando do aniversário do crime…

Até parece impossível que Root, que até ao momento parecia dominar todos e ser tão meticulosa, ter-se esquecido da factura dentro do último dos livros que enviou… e, especialmente, ter pago com o cartão de crédito que ainda usa actualmente?! Mas, claro que o caso de enguiçado tinha que conhecer algum desenvolvimento definitivo. Seguindo essa pista, Reese acaba por chegar ao paradeiro de Finch.

 Este, por sua vez, permanece prisioneiro de Root juntamente com o outro agente do governo que também tinha conhecimento acerca da máquina construída por Finch. A principio, Root tenta pôr um contra o outro com o intuito de fazer algum deles quebrar e dizer-lhe o paradeiro da máquina. A grande preocupação de Finch parece ser o uso que ela dará à máquina e assegurar que ela nunca tenha acesso a ela. Na realidade, se a motivação ainda a vamos compreendendo a partir de todo discurso de «melhorar a humanidade, que tem um código simplesmente mau»… como ela pretende fazer isso e qual o modo como o fará permanece meio estranho de compreender e o facto dela no final se voltar para os outros agentes do governo e largar, ainda que temporariamente o pé do Finch parece não ter muito nexo, até porque é de Finch que ela tem mais informação para poder controlá-lo. Para quê começar uma nova caça e investigar todos os agentes do governo que ela vê na cabana onde ela manteve os seus prisioneiros.

Não gosto muito de anacronismos, ainda assim esta review está cheia deles. Já sabemos que Finch é libertado por Reese e que Root altera a sua estratégia do seu plano pouco claro… falta falar no modo como Finch ajuda Reese a encontrá-los ao deixar para trás uma data de pequenas pistas até ao reencontro final da estação do comboio.

Ainda bem que a dupla está de volta e que o próximo capitula apresentar-nos-á mais um casinho da semana… este, sim, será o primeiro caso em que realmente Finch, Reese, Carter e Fusco trabalharão realmente juntos. Isto dito, apenas me resta acrescentar que Fusco merece mais destaque na ser mera ama seca do Bear!

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s