Criminal Minds -S08E02 “The Pact”

Há já algum tempo que escrevo que continuo a seguir Criminal Minds mais por «hábito», que por gosto. Não gosto muito da ideia de acções irracionais e, ainda por cima, fazer delas um hábito… por isso mesmo, cada vez que me preparo para assistir a um novo capítulo de Criminal Minds prefiro pensar que o faço por um estranho sentimento de fidelidade a um conjunto de personagens que já me entretiveram bastante e das quais já gostei realmente. Actualmente é esse sentimento que me norteia!

Contudo, episódios como este «The Pact» são capazes de derrubar qualquer fidelidade e, por isso mesmo, aviso desde já que este poderá ser uma dos últimas reviews que farei da série. Após o primeiro episódio, pensei que se não cancelassem a série no final da temporada, esta seria a última a que assistiria… ao final de dois capítulos estou decidida a não assistir a mais nenhum episódio!

Não posso adivinhar o que farei na próxima semana, quando chegar a hora a que costumo assistir à série… a minha mãe é «fã de carteirinha» como dizem no Brasil e desligar-me será sempre mais difícil do que o desejado. Para já, a única certeza que tenho é que uma review não muito positiva está à espera de ser feita.

De forma muito resumida e expedita, o episódio apresenta-nos a história de dois assassinatos cometidos quase simultaneamente em cidades relativamente distantes (San Dieago e Los Angeles) e que  apresentam o mesmo método. À primeira vista, ambos os crimes foram cometidos da mesma forma… as vítimas foram arrastadas pela estrada ainda vivas, porém rapidamente descobrem que num dos casos a vítima já estava morta quando foi atrelada ao carro. A equipa começa, deste modo, a desconfiar de que estão a lidar com um duo de assassinos.

Ainda assim, a ligação entre eles parece obscura. Contudo, posteriormente descobrem que ambas as vítimas já estiveram envolvidos em situações violentas que acabaram com a morte de duas crianças. Em ambos os casos (rapto e  atropelamento), ambos os culpados obtiveram penas relativamente leves para o crime sucedido.  A equipa  de BAU começa a desconfiar de que estão a lidar com um duo de vigilantes, mas não suspeitam ainda de que os assassinos são do sexo feminino e que de alguma forma estão envolvidos emocionalmente com a perda dessas crianças. Porém, é num ápice que acabam por desconstruir toda a charada e acabam por seguir o rasto das mulheres até à casa de um outro amigo envolvido no rapto e assassinato de uma das crianças.

Este, imagine-se só, é na verdade um psicopata, pedófilo e manipulador (ao ponto do seu amigo sempre ter encoberto o seu envolvimento, mesmo quando foi apanhado). Rapidamente, promete às duas mulheres dizer onde está o corpo da menina em troca de o deixarem viver… contudo, a meio caminho começam os jogos psicológicos para voltar as mulheres uma contra a outra, já que uma aparenta gostar de matar, enquanto a outra o faz com um estrito senso de justiça acerca do que se passou com a sua filha. Posteriormente, quando chegam ao sítio onde o assassino escondeu o corpo da miúda, a mãe desta acaba por matá-lo à paulada quando este sadicamente se gaba do que fez. Além de toda a irrealidade de tudo isto, o que pareceu mais estranho em tudo isto, é que a equipa a partir de certa altura ia descobrindo intuitivamente todos os detalhes e motivações dos criminosos, assim como as possíveis cisões que surgiriam entre eles, exactamente ao mesmo tempo que tudo ia acontecendo.

Ainda assim, chegaram tarde para salvar a vida do assassino que elas tinham raptado e deixaram tempo suficiente para que ambas as mulheres conseguissem fugir para o México. Já Rossi segue um palpite e vai a encontro delas na praia, conseguindo apenas apanhar uma das assassinas…

A velocidade com que num ápice a equipa resolve crimes aparentemente complexos e o modo extremamente rápido como a Garcia correlaciona dados imensamente complexos, de bases de dados dispares e que apenas miraculosamente poderiam estar todos digitalizados deixa-me sem palavras para descrever a série e, como já fui avisando, com pouca vontade de a continuar a assistir.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s